quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Evento em Fortaleza tem como inspiração feiras medievais


Foi com o desejo de juntar cordel, literatura e música em um só lugar que nasceu a Rota das Especiarias – Tempero Literário, em Fortaleza. A inspiração veio da Idade Média, onde as feiras concentravam artistas e artesãos que se misturavam aos comerciantes locais. Essas feiras atraíam os grandes navegadores, que percorriam grandes distâncias em busca de novas especiarias. 

Essa rota, portanto, será a ligação entre feiras multiculturais, reunindo apresentações artísticas, jam-poesia (música e poesia), barracas onde os artistas cearenses poderão divulgar e vender as suas especiarias e comidas típicas. Em cada uma delas, terão as seguintes divisões: Feijão de Corda (Literatura Regional e Cordel); Miçangas (Literatura Contemporânea); Dindim (Literatura Infantil). A programação completa está no site do evento. 

A próxima feira acontece no dia 3 de dezembro na Praça da Igreja Central , em Messejana. E para quem desejar comercializar ou divulgar sua obra literária no projeto, ainda dá tempo! Até o dia 6 de dezembro, os interessados podem se inscrever para a última feira, que acontece no dia 10 na Praça da Av. Flamboyantes, Cidade 2000. Para isso, basta preencher a ficha de inscrição e enviar para rotasliterarias@gmail.com. Faça download da ficha de inscrição.
 

Acordo de coprodução audiovisual entre Brasil e Índia é promulgado


Produtores de audiovisual do Brasil e da Índia poderão, a partir de agora, realizar obras em conjunto usufruindo dos benefícios previstos no Decreto 7.597, promulgado em 1º de novembro de 2011.

Para que uma obra audiovisual seja considerada coprodução Brasil-Índia, cada uma das partes deverá contribuir financeira , técnica ou artisticamente com no mínimo 20% do orçamento total previsto. Também é necessário que os órgãos competentes de cada país sejam informados do interesse em gozar dos benefícios do acordo no prazo mínimo de 60 dias antes do início das filmagens.

O acordo prevê que as filmagens não precisam necessariamente acontecer no Brasil ou na Índia, podendo ser aprovada a locação em um país diferente daquele dos coprodutores. No entanto, os roteiristas, diretor, atores e demais membros da equipe técnica e artística devem ser residentes permanentes, assim como ter nacionalidade de um dos dois países. No caso de locação aprovada em um terceiro país, só poderão ser empregados figurantes e pessoal de equipe adicional. 


Fonte: Ancine


Instituto Brasileiro de Museus lança obra sobre o setor


Está disponível para download a publicação “Museu em Números”, lançada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) este mês. A obra está dividida em dois volumes que trazem um panorama estatístico nacional e internacional do setor de museus, além de textos analíticos sobre a situação nas unidades federativas. 

Todos os dados são referentes a 1.500 museus brasileiros que responderam ao questionário do Cadastro Nacional de Museus (CNM), em setembro de 2010. Faça download da publicação


terça-feira, 29 de novembro de 2011

Banda Catrina libera na internet teaser de novo single

Foto: Divulgação

Está rolando na rede, desde o último dia 18, um teaser de “Fantasia Urbana”, primeiro single do novo trabalho da banda de rock Catrina. A amostra de 24 segundos, produzida pela Movie 3, está disponível no canal do Youtube da Blast Stage Records

O grupo formou-se em 2007 e já tem um CD gravado, “Xeque Mate”. O time do Catrina conta com a formação tradicional com cinco músicos: o vocalista Nando Gonçalez, Cadu Rebello e Fábio Max nas guitarras, Johnny Godoy no baixo e o baterista André Queirolo. 

O nome Catrina refere-se a uma obra do pintor mexicano José Guadalupe Posada, com o título “La Cavalera Catrina”, expressão que significa A Caveira Elegante – simbolismo que tem como ensinamento que não importa o quão bonita seja uma pessoa, ela está suscetível à morte como qualquer outra. Com isso, a banda quer demonstrar em suas canções que todos são iguais e que a humanidade deveria prestar mais atenção na sua alma e no coração, além das aparências. Assista ao trailer. 

Edital contempla projetos de artes visuais em Alagoas

Termina dia 30 de novembro as inscrições para a temporada 2012 de exposições da Galeria de Artes do Sesc Arapiraca, em Alagoas. O edital é voltado para produções em artes plásticas, intervenção, videoarte, performance, instalação ou outras experimentações no campo das artes visuais. 

O objetivo é investir em infraestrutura para a realização de exposições, cursos e ações educativas sistemáticas, com foco na democratização do acesso à arte contribuindo, assim, com a formação intelectual e cidadã de comerciários, artistas, arte-educadores e público em geral. 

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no Sesc Centro (Rua Barão de Alagoas, 229,Centro, Maceió), das 9h às 18h. Para mais informações (82) 3326-3133. Acesse aqui o edital

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Vinicius de Moraes é tema de contação de histórias para adultos em São Paulo

Foto: Divulgação

O projeto “Prosa Afiada”, dos atores Karina Giannecchini e Murilo Inforsato e da dramaturga e produtora Bell Gama, usou como base a Antologia Poética de Vinícius de Moraes para esta nova apresentação. O espetáculo estreia dia 29 de novembro no Sesc São Carlos, em São Paulo. A música estará a cargo da cantora Ana Gilli e dos músicos Leandro Brenner e Fernando Silveira. 

O trio musical já é íntimo da obra de Vinicius por conta do espetáculo “Como dizia o poeta”, que nasceu depois de muito estudo sobre a obra do poeta. O projeto é, portanto, uma viagem pelo repertório literário de Vinicius de Moraes, com música ao vivo e poesia falada, cantada e encenada. A montagem é inédita e especialmente concebida para o projeto Literatura Dramática, do Sesc São Carlos. 

A apresentação começa às 20h e é gratuita. O Sesc São Carlos fica na Av. Comendador Alfredo Maffei, 700 - Jardim Gibertoni /São Carlos – SP. Mais informações pelo telefone (16) 3373-2336.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Contra o silêncio dos bons: o outro lado


Pessoal,

Mantendo o caráter democrático deste blog, informo que a produção do festival Serra Sons publicou em seu site nota oficial sobre o cancelamento do evento. Para quem não está sabendo da história, leia aqui sobre o que aconteceu.

A nota pode ser acessada em: http://serrasons.com.br/rio2011/

Abraços!




Especial "A música de São Paulo": Fabio Cadore

Para quem não lembra, ano passado fiz alguns posts falando dos novos talentos da música de São Paulo, tais como 5 a seco, Tó Brandileone e Dani Gurgel. Volto hoje com mais um grande nome da música paulistana: Fabio Cadore. Divirtam-se!


Quem não se lembra do seu primeiro brinquedo? Uma boneca, um carrinho, um peão, que trazem gravados em si as memórias de um tempo tão especial. Mas e quando esse primeiro brinquedo se torna um objeto de trabalho no futuro? Foi o que aconteceu com o cantor e compositor paulista Fabio Cadore que, por volta dos 5 anos, pediu um violão de presente, e mal imaginava no que, mais tarde, essa escolha resultaria.

E a “adorável brincadeira” com o instrumento, ainda criança, cresceu junto com ele, tornando-se profissional através dos estudos e da dedicação, mas sem perder o lado lúdico. “Sempre me dediquei muito aos estudos, mas só o fiz por ser divertido pra mim. A partir do momento que algo perde esse caráter mais leve, eu perco o interesse. Com a música, graças a Deus segue tudo as mil maravilhas”, diz.

Fabio fez um verdadeiro passeio pelas diferentes vertentes da música antes de se lançar como cantor e compositor e gravar seu primeiro CD, em 2008. De casa, veio a influência do rock dos anos 80 e 90. De sua vivência musical, grandes nomes da MPB, como Chico Buarque e Tom Jobim. E da sua formação, a música clássica. “Ouvi muita coisa maravilhosa como Villa-Lobos e vários outros grandes compositores clássicos. Isso fica guardado como lembrança auditiva, consequentemente acabo inserindo fragmentos na hora de compor”, explica ele.

Juntando tudo isso, Fabio tornou-se um artista completo, com a qualidade e complexidade do erudito, mas sem deixar de lado sua influência, especialmente da MPB, marca do seu primeiro trabalho, “Lúdico Navegante”. O disco começou a ser pensado em 2006, quando Fabio já tinha terminado a Faculdade de Música (depois da música clássica, ele continuou seus estudos, agora como universitário) e estava com boa quantidade de músicas compostas. Foi nessa época que recebeu convite de tocar no auditório do Sesc Vila Mariana, através do convênio do Sesc com a faculdade que cursou. “Ali seria a primeira oportunidade de mostrar meu trabalho, de dar a cara para bater”, conta.

Depois de mais de um ano cantando na noite, chega a hora de gravar: “Eu já havia testado músicas, arranjos, vendo o que o público mais se interessava, etc. Então, depois de um festival que participei no interior do Rio de Janeiro, em Miracema, decidi que era hora de gravar”. “Lúdico Navegante” traz composições do próprio Fabio, que assina sozinho a maioria das músicas, além de parcerias com Alexandre Cadore e Leandro Dias. 

A produção envolveu músicos como o pianista Fabio Torres (Trio Corrente) e o cantor Filó Machado. É um trabalho que mostra todo o talento e maturidade do jovem artista. Fabio conseguiu casar muito bem todos os seus anos de estudo e preparo, apresentando arranjos de muita qualidade, com belas letras e melodias marcantes. Um trabalho completo.

Fabio também já tem experiência internacional, com uma agenda bastante ativa. Junto ao compositor e pianista Jung Bum Kim, lançou o álbum “Pudditorium” na Coreia do Sul e EUA, em 2009. No mesmo ano, integrou um seleto grupo de artistas latinoamericanos, tais como Ivan Lins, Liliana Herrero e Pedro Aznar, na gravação do disco “KALEA”, do compositor espanhol Kepa Junkera. Já em 2010, se juntou à cantora paulistana Marcia Lopes e ao quarteto do pianista dinamarquês Steen Rasmussen para uma turnê pelo estado de São Paulo, resultando também na gravação de um disco, ainda a ser lançado, para o mercado europeu. O artista também desenvolveu trabalhos em países vizinhos, como a série de concertos e palestras pela América Latina entre os anos de 2009 e 2010.

Após um projeto dedicado exclusivamente a interpretação, com o espetáculo “Os Homens de Chico” – leitura dos personagens masculinos de Chico Buarque – ao lado de Marcelo Quintanilha e Renan Barbosa, Fabio está se preparando para entrar em estúdio nos próximos meses para produzir o segundo CD. E “como no palco é que o artista se vê”, Cadore está experimentando no palco, através do projeto “Tudo Novo”, suas músicas inéditas, um “esquenta” para a gravação do novo trabalho. Com o talento deste artista, tem tudo para vir mais uma obra prima da nova música brasileira.

Próximo show – “Tudo Novo”
Dia 16/11/2011
Local: Auditório do Sesc Vila Mariana - Rua Pelotas, 141.
Informações: (11) 5080-3000

domingo, 13 de novembro de 2011

Contra o silêncio dos bons

Sempre posto aqui no blog notícias e eventos que estão acontecendo por esse Brasil afora. Esta é a minha forma de ajudar a disseminar a rica cultura deste nosso país, que tem muito a oferecer nesse sentido. Hoje, minha contribuição será diferente e virá em forma de protesto. Peço a total atenção de vocês, leitores, para o texto a seguir.


A música brasileira pede socorro. Não bastasse a falta de espaços para absorver tantos talentos que procuram seu lugar ao sol, ainda há a falta de organização e de respeito com esses artistas. E nem só os novatos estão sofrendo isso.

Desde o dia 11 de novembro está rolando o festival Serra Sons, em Lumiar, região serrana do Rio de Janeiro.  Até aí, tudo lindo. Teve show do Lulu Santos e tudo mais. Mas a desorganização (com problemas inclusive quanto ao pagamento dos músicos) e as deficiências técnicas chegaram a tal ponto que shows previstos começaram a ser cancelados, tais como Beto Guedes, Marcio Bragança, Nave de Prata e CláudioFaria. Além disso, artistas que tocaram, como foi o caso de Alceu Valença, não receberam o que estava previsto no contrato. ZecaBaleiro, Boca Livre e FlávioVenturini tomaram calote e também não se apresentaram. O que já era ruim ficou ainda pior: pouco antes de começar a escrever esse texto, fiquei sabendo que o festival foi CANCELADO! Sim, leitores, CANCELADO!

Este fato relatado é, infelizmente, apenas mais um exemplo da desvalorização e da falta de respeito com o trabalho dos músicos. Imagina quantos deles não tiveram prejuízos por conta dessa situação. E o público que se programou para ir prestigiar o festival e vai ficar sem nada? Além do mais, a população local também sai prejudicada, pois um evento que poderia ajudar a movimentar a cidade, apenas trouxe aborrecimentos.

Além disso, quem também levou um prejuízo enorme com o cancelamento do festival foram os comerciantes da cidade. Bares e restaurantes, para atender a demanda do público que estaria presente no evento, fizeram estoque de mercadorias. E agora? O que farão com que foi adquirido? Uma cidade que teve que lidar com a tragédia das chuvas que deixaram a região serrana tão prejudicada, agora têm que lidar com mais um revés. Por quê? Pelo amadorismo, pela falta de respeito e pela desorganização deste evento!

Fica aqui o meu protesto contra esses absurdos que acontecem. Acho um desperdício desvalorizar o belíssimo trabalho dos músicos, que tanto se esforçam e se empenham para trazer um pouco mais de alegria e arte às nossas vidas. Acho um absurdo não apenas porque amo música, mas porque, antes de um desrespeito com profissionais, ali estão seres humanos tentando levar sua vida de forma honesta. Esse tipo de coisa não pode acontecer mais!

Através do Facebook, vi que os moradores de Lumiar estão organizando um protesto por conta de toda esta confusão. Acho muito válido! As pessoas precisam se unir por essas causas. Está aí um exemplo do bom uso da internet: vamos mobilizar as pessoas contra esse desrespeito aos músicos! Pois uma vida sem respeito é uma vida vazia. E quando uma música deixa de tocar, não é apenas a cultura que perde. Nós também perdemos.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A arte da periferia


 “A poesia tem que descer do pedestal e beijar os pés da comunidade”. Já foi tempo que a produção literária era considerada produto apenas de determinadas classes sociais. Na verdade, as palavras são uma poderosa ferramenta para dar voz a quem esteja disposto a dividir suas ideias, anseios e sonhos. Não podemos esquecer que a “literatura é a celebração das palavras, o resto é gente fácil que fala difícil”.

Sérgio Vaz é poeta, ativista cultural e fundador do sarau da Cooperativa Cultural da Periferia (Cooperifa). Nascido em São Paulo, ele tem transformado a vida de milhares de pessoas da maior cidade do país por meio da poesia. Ele será o convidado do Conversas Plugadas especial, que acontece nessa quarta, dia 9, na sala principal do Teatro Castro Alves, em Salvador. Sergio vai falar sobre a poesia na periferia e outras experiências literárias. O evento ainda conta com a participação especial do Sarau Bem Legal e Coletivo Blackatitude.

“Fartura” é a palavra que o poeta usa para definir o panorama da produção literária nas periferias atualmente. “Devido aos saraus, muitos poetas estão se apoderando da palavra e dos livros”, diz ele. O Sarau da Cooperifa pode ser definido como um exercício de democratização do uso da palavra e de reação política à exclusão.

Como toda forma de expressão, a literatura também vem acompanhando as demandas da sociedade. “Os poetas e admiradores da poesia encontraram nas dezenas de saraus um espaço para ouvir e falar poesia. Mesmo sem editora ou dinheiro para bancar uma gráfica, os poetas têm espaços para mostrar sua produção”, completa.

De acordo com Sergio, antes esses poetas eram visto como “exóticos”, por não serem conhecidos. E, hoje, a periferia que era retratada em livros pelos “outros”, vem conquistando seu protagonismo. 

Para quem quiser conferir essa conversa, o Teatro Castro Alves fica na Praça Dois de Julho, s/n – Campo Grande, Salvador.  O evento é gratuito e começa às 19h30, e também terá transmissão ao vivo através do site do IRDEB. Mais informações pelo telefone (71) 3535-0600.