quarta-feira, 16 de abril de 2008

Thaís Gulin

O interesse pela música vem desde que Thaís é pequena. Aos 7 anos, ganhou um gravador, e pasava horas cantando, além de criar harmonias de músicas de comerciais em um órgão que tinha em casa - mesmo não tendo consciência de que era isso que estava fazendo. Mas, somente aos 17 anos que essa curitibana começou a estudar música. Começou a fazer aula de violão na escola Sonata, e como o professor gostou de sua voz, a aconselhou a fazer canto também, e foi o que ela fez. Thaís também estudou no Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba.

Nessa mesma época, ela fazia faculdade de Administração de Empresas, e também estudava teatro. Aos 19 anos, ela trancou e foi morar um ano na Europa. E foi nesse tempo fora de casa que fez Thaís decidir o que realmente queria de sua vida. Voltou no final de 1998 e começou a cantar na noite, além de se profissionalizar como atriz.

Ainda terminou a faculdade e ficou em Curitiba até início de 2001, quando foi morar no Rio de Janeiro.

E foi no final de 2002, já no Rio estudando música e trabalhando no teatro, que Thaís começou a gravar o demo. Essa primeira gravação tinha três músicas, duas delas estão no cd, que são "A Vida da Outra (Dela) ou Eu", sua primeira composição, e "Hino de Duran" (Chico Buarque), com outro arranjo. A gravação desse demo foi um processo lento, já que Thaís ainda estava descobrindo o que queria em relação ao repertório, arranjos e timbre. O demo ficou pronto em 2003, e até 2005, quando ela apresentou o projeto à Rob Digital, Thaís fez shows num projeto do Teatro Café Pequeno e outros lugares, também no Rio.

Para superar a dificuldade de início de carreira, no lançamento e distribuição do cd, Thaís contou com o apoio da editora que pertence ao colégio em que estudou, em Curitiba.

E seu cd de estréia- que leva o seu nome -, contém um repertório eclético, entre composições próprias e releituras de músicas de outros compositores. E como não podia ser diferente, vem sendo muito bem recebido, sendo ela considerada uma das grandes revelações da MPB. Com uma voz forte e marcante, mas ao mesmo tempo, agradável de ouvir, Thaís dá uma leitura única para músicas como "Garoto de Aluguel" e "De Boteco em Boteco".

Muitos bons artistas vêm tentando conquistar o seu lugar no mundo musical. Mas poucos têm a qualidade vocal e bom gosto de repertório, como Thaís Gulin. E essa grande revelção da MPB só prova que é possível fazer um trabalho de qualidade, apesar de todas as dificuldades que esse meio oferece.


Foto: Livio Campos


* Thaís é uma das finalistas na categoria Revelação do 6º Prêmio Rival Petrobrás de Música.

Fonte: Blog do Mauro Ferreira


* Próximos shows:
Cinemathéque Jam Club - Rio de Janeiro
Rua Voluntários da Pátria, 53 - Botafogo
Dia 25/04 - sexta-feira
Às 22h
Lista amiga: isabelasalves@hotmail.com

Bourbon Street - São Paulo
Terça por Elas

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Helena Elis

Como muitas cantoras que estão começando ou já têm sua carreira firmada, a paulista Helena Elis cresceu em um meio musical. Seu pai, sanfoneiro, tinha como repertório principal as músicas de Luiz Gonzaga, e sua mãe o acompanhava com a gaita. Assim, seu interesse por música veio desde muito cedo. Aos cinco anos de idade, já sentia vontade de aprender a tocar algum instrumento para acompanhar seus pais. Nessa mesma época, quatro de suas dez irmãs, que regiam e faziam parte do coral da igreja, decidiram fazer aula de violão com um professor particular. Mas, na verdade, quem aprendeu a tocar foi ela.

"Enquanto minhas irmãs tinham aula , eu ia decorando a movimentação dos dedos sobre o braço do violão e o desenho visual dos acordes. Quando elas saiam para a igreja, nos dias que eu não podia ir, eu aproveitava para pegar o violão escondido e tocar", conta ela, que um dia, aos seis anos de idade, resolveu mostrar a elas como se tocava uma música sacra chamada "Na natureza". Suas irmãs ficaram impressionadas, e, assim, ela foi convidada para tocar com o coral.

Nessa mesma época, Helena se descobriu compositora, e apesar da imaturidade de todo início, ela fazia letras e sempre dava um jeito de mostrar nas suas aulas de português. "Imagine só, eu parando as aulas para mostrar minhas composições e também músicas de outros artistas, só para dizer que tocava! (risos)", diz. Então, ela acabou contratada pela direção da escola para tocar nas formaturas, o que durou por vários anos, até ela se formar no Ensino Médio.

Nos tempos em que tocava em barzinho, Helena começou a vender e também fabricar cocadas para completar o orçamento. Ela vivenciou diversas dificuldades, como a falta de atenção ou aplausos durante as sessões de happy hour, donos que não pagavam no dia certo ou nunca pagavam o cachê, e falta de uma estrutura básica de som para que ela pudesse apresentar um som de qualidade.

No período em que passou na Europa, Helena gravou um cd de interpretações de outros artistas, a pedido dos portugueses, que se chama "As mais pedidas de minha noite". Além desse, ela tem três cds autorais, e o projeto de lançar, em fevereiro de 2008 o novo cd, "Tudo tem dois lados".

E mesmo hoje, com suas músicas "Lugares Proibidos" e "Francisco" tocando nas rádios de Fortaleza , Recife, Brasília , Campinas, Salvador , Rio de Janeiro, São Paulo e cidades pequenas, as dificuldades ainda continuam, mas agora com a diferença de ter seu trabalho reconhecido. "Essas dificuldades não me fazem sentir vítima ou ter compaixão de mim mesma, pois eu escolhi viver um ideal e tenho de cumprir os desafios que me direcionam a ele. Elas só me enriquecem e edificam, e fazem de mim uma pessoa extremamente grata, sempre!", completa Helena
.

www.helenaelis.com.br